O QUE É? 

A Comissão de Risco Sanitário Hospitalar do Complexo Hospital Universitário da Universidade Federal do Ceará é responsável pela monitorização pós-comercialização, de medicamentos, produtos para saúde, saneantes, hemocomponentes, equipamentos e kits para laboratório, identificando e notificando eventos adversos, neles incluídas as reações adversas e problemas com produtos.
Durante o processo de trabalho da Comissão, são realizadas a identificação, a análise e a documentação do problema, sendo seguido de contato, caso necessário, com o notificador, o úsuário, o fabricante, e órgão sanitário (Visa e Anvisa).
Sua criação foi oficializada pela Portaria n°03/2002 e ocorreu em responta a criação do Projeto Hospitais Sentinelas da Anvisa. Essa comissão foi instituída para atuar no Hospital Universitário Walter Cantídio, em âmbito hospitalar e ambulatorial e é órgão assessor da diretoria Geral.
A Comissão de Riscos Hospitalares é formada pelas sub-comissões de : farmacovigilância, tecnovigilância, hemovigilância e os Núcleo de Estudos sobre Segurança do Paciente e Núcleo de Avaliação de Tecnologias em Saúde- NATS.


A sub-comissão de Farmacovigilância tem por objetivos realizar atividade destinadas a identificar, quantificar e informar os efeitos indesejáveis decorrentes do uso agudo e crônico dos medicamentos, sobretudo as reações adversas previamente desconhecidas, identificando seus riscos, tomando medidas reguladoras a respeito e informando aos profissionais de saúde do HUWC, fornecedores, à VISA e Anvisa sobre estas questões.

A sub-comissão de Tecnovigilância, tem por objetivo identificar, analisar e prevenir eventos adversos relacionados ao uso de equipamentos, saneantes, produtos para saúde e kits laboratoriais durante a prática clínica.

A sub-comissão de Hemovigilância realiza coleta de notificações, avaliação e encaminhamento de informações à Anvisa, com o objetivo de contribuir para a compreensão do problema dos efeitos indesejáveis ou inesperados da utilização de hemocomponentes, bem como cooperar para a prevenção do aparecimento ou recorrência desses efeitos. Essa sub-comissão tem sido responsável, em parceria com o comitê transfusional, por monitorar a utilização dos hemocomponentes, as reações e controlar desperdícios destes, tendo reduzido substancialmente a perda de hemocomponentes no HUWC, bem como elaborar protocolos de utilização.

   

 

 

As notificações são encaminhadas em fichas disponibilizadas
em toda a instituição em fichários em acrílico, tendo cores
padronizadas (amarelo- farmacovigilância, azul- tecnovigilância
e rosa-hemovigilância, em anexo) ou através do site.

O Núcleo de Estudos Sobre a Segurança do Paciente tem por objetivo conduzir pesquisas envolvendo processos que impactam direta e indiretamente sobre a segurança do paciente assistido no HUWC, sugerindo estratégias, protocolos e alterações de conduta que minimizem o risco de dano aos clientes. Este núcleo desenvolve pesquisas para a Anvisa, tendo publicado duas dissertações de mestrado, e dois artigos em vias de publicação em revista indexada B1 nacional. Atualmente desenvolve um estudo multicêntrico, no qual estão envolvidos todos os hospitais sentinela do Ceará.A Comissão de Riscos participa de Ações regulares da Anvisa a saber: Programa Sentinelas em Ação (terças-feiras), Curso Saúde Baseada em Evidências (Anual), encontros nacionais de gerentes de risco, entre outros. A Comissão de Riscos participa dos principais congressos das áreas vinculadas a mesma, no Brasil, enviando trabalhos, e seus membros são frequentemente convidados para proferir palestra sobre experiências vivenciadas na instituição.


MISSÃO E VISÃO

  A Comissão de Riscos tem por missão:
 “Realizar identificação, análise, avaliação, tratamento e monitoramento contínuo de riscos sanitários, visando criar mecanismos corporativos para minimizar ameaças à vida, e maximizar as oportunidades de incremento da segurança, cooperando assim para o aumento da qualidade da assistência, ensino e extensão praticados nos hospitais do complexo hospitalar da UFC.”
Tem como visão: Se tornar referência brasileira em gerenciamento de risco sanitário hospitalar até 2018.
Para a consecução dessa missão e visão, a Comissão de Risco se baseia no princípio hipocrático da não maleficência (primim non nocere – primeiro não cause mal) e se alicerça nos seguintes valores: Respeito a vida; ética; integridade; responsabilidade; busca contínua da excelência científica; criatividade, compromisso institucional e trabalho em equipe.


  COMPOSIÇÃO:

A Comissão de riscos é composta por um quadro efetivo e membros consultivos, sendo multiprofissional.
Seu quadro efetivo é composto de uma gerente de risco, atualmente farmacêutica e uma enfermeira, sendo responsáveis por toda a operacionalização das ações da Comissão de Riscos. Como membros consultivos, fazem parte das sub-comissões: dois farmacêuticos, um engenheiro clínico e um médico. Os núcleos são formados por Professores de Medicina e Farmácia, farmacêuticos, enfermeiros e acadêmicos de farmácia, medicina, enfermagem, engenharia e publicidade.

A Anvisa estabelece que cada hospital integrande da rede sentinela deve possuir um gerente de risco sanitário hospitalar, designado pela diretoria para atuar como elemento de ligação com a Anvisa. O gerente é o responsável por coordenar a equipe de gerenciamento de risco sanitário hospitalar do serviço de saúde. A atual gerente de risco é a farmacêutica Eugenie Desiree Rabelo Néri, farmacêutica, CRF 2028, devidamente nomeada por portaria institucional (n°069/2008).
Para a Anvisa, Gerente de Risco é definido como um gerente de informação para o Hospital e para o Sistema Nacional de Vigilância Sanitária de Produtos de Saúde Pós-Comercialização, devendo articular as diversas áreas de apoio à assistência (Farmácia, Engenharia Clínica e Manutenção, Serviço de Hemoterapia, Comissão de Controle de Infecção Hospitalar- CCIH, e outras), prevenindo eventos adversos advindos do uso de produtos de saúde, com ganho de qualidade e segurança para procedimentos e terapias. 

 Compete à função de Gerente de Risco Sanitário Hospitalar (Anvisa, 2009):

  • Desenvolver e estimular ações de Vigilância Sanitária Hospitalar, com conhecimento para auxiliar a seleção, o planejamento e a gerência dos produtos para saúde;

  •  Auxiliar a identificar, investigar e enviar as notificações de eventos, incidentes, reações adversas, ou queixa técnicas associados aos medicamentos, sangue e hemoderivados, equipamentos e artigos de uso médico, reagentes para diagnóstico de uso in vitro e materiais para desinfecção e esterilização em ambiente hospitalar com suspeita de envolvimento de produtos para a saúde à Anvisa; 

  • Coordenar as ações requeridas em Tecnovigilância, Farmacovigilância e Hemovigilância e Vigilância de Saneantes de Uso Hospitalar;

  • Participar da formação, disseminação dos conhecimentos e atualização de recursos humanos em Tecnovigilância, Farmacovigilância, Hemovigilância e materiais para desinfecção e esterilização em ambiente hospitalar;

  • Coordenar a elaboração e implantação de Planos de Melhoria, produtos do contrato firmado entre a Anvisa e hospitais sentinela.

 ANVISA. Perfil do gerente de risco. Disponível em:http://www.anvisa.gov.br/servicosaude/hsentinela/gerente_risco.htm. Acesso em 18/09/09.


 HISTÓRICO 

  • JUNHO/95 - Início das atividades de coleta e catalogação de pareceres técnicos de produtos com problema e utilização dos mesmos como fontes de informação para aquisição.

  • NOVEMBRO/96- HUWC é hospital integrante do projeto piloto do Centro de Farmacovigilância do Ceará - CEFACE de implantação da Farmacovigilância no Ceará.

  • SETEMBRO/97 A JANEIRO/98 - Treinamento da farmacêutica Eugenie Néri, através de cooperação Brasil/França em Farmacovigilância e materiovigilância.

  • JULHO/98- Treinamento da uma farmacêutica Adriana Parente Gomes em Farmacovigilância em curso promovido pela OMS no Chile.

  • MARÇO/99- (15/03/99) – Portaria n° 002/99. Criação do Setor de Farmacovigilância no Serviço de Farmácia do HUWC. Diretor Dr Cesar Augusto de Lima e Forti, Chefe do Serviço de Farmácia: Eugenie Néri e primeira farmacêutica a coordenar o setor de farmacovigilância: Adriana Parente Gomes.

  • JANEIRO/02- Criação da Comissão de Riscos Hospitalares (portaria n° 003/2002) e nomeação da primeira gerente de riscos do HUWC, farmacêutica, Dra Adriana Parente Gomes (Portaria n° 004/2002)

  • 2004 – Portaria n° 069/2004, é nomeada a segunda gerente de risco do HUWC, farmacêutica, Dra Tatiana Amâncio Campos;

  • É realizado o I Forum Cearense de Vigilância de Produtos Hospitalares, promovido pela Comissão de Risco (01/07/04).

  • 2008 – Portaria n° 011/2008, é nomeada a terceira gerente de riscos do HUWC, farmacêutica, Dra Eugenie Desirèe Rabelo Néri.

  • 2009 – maio – A Gerência de Riscos promove em parceria com a CCIH o “Mês da CCIH”, coordenado os trabalhos de criação da tela de arte: “Mãos que fazem o HU” e apoiando a publicação do primeiro protocolo de antibioticoterapia e antibioticoprofilaxia do HUWC(modelo de bolso)”.

    • Agosto – A gerência de risco recebe as primeiras notificações de problemas com equipamentos provenientes do Serviço de Engenharia e Manutenção;

    • 21 a 25 de setembro ocorre a Oficina de Simplificação de processos com foco em gerenciamento de riscos no HUWC, com metodologia do GESPUBLICA.

 
Para solicitar a incorporação de novos medicamentos, material médico-hospitalar ou equipamento para uso nos HUs, clique no botão abaixo e preencha os campos corretamente.

Login:
Senha:




 
Boom! Digital